#DEVOCIONAL (40 dias) - Uma vida com propósitos [Rick Warren]

DIAS 31 E 32

Entendendo sua forma

Tu moldaste-me primeiro por dentro e depois por fora; tu me formaste no ventre de minha mãe.
Salmos 139.13; Msg

Somente você pode ser você.
Deus projetou cada um de nós de modo que não houvesse réplica em todo o mundo. Ninguém tem exatamente a mesma composição de fatores que o tornam exclusivo. Isso significa que ninguém mais na terra será capaz de desempenhar o papel que Deus planejou para você. Se você não fizer sua contribuição individual para o corpo de Cristo, ela não será feita. A Bíblia diz: Existem tipos diferentes de dons […] Existem maneiras diferentes de servir [… e] Há diferentes habilida¬des para realizar o trabalho.1 No capítulo anterior, vimos as duas primeiras: seus dons espirituais (formação espiritual) e seu coração (opções do coração). Agora veremos o resto de sua configuração.

Forma: Aplicando seus recursos pessoais
Seus recursos pessoais são os talentos naturais com os quais você nasceu. Algumas pessoas têm uma habilidade natural com as pala¬vras: já nascem falando! Outras têm habilidades atléticas naturais, destacando-se em agilidade física. Outras ainda são boas em mate¬mática, música ou mecânica.
Quando Deus quis criar o Tabernáculo e todos os utensílios para adoração, cuidou para que houvesse artistas e artesãos que fossem formados com destreza, habilidade e plena capacidade artística para desenhar […] e executar todo tipo de obra artesanal.2 Hoje em dia, Deus ainda concede essas habilidades, bem como milhares de ou¬tras, para que as pessoas possam servi-lo.

Todas as suas habilidades vêm de Deus. Até mesmo habilida¬des usadas para o pecado foram dadas por Deus; estão apenas sen¬do usadas para o mal ou de forma imprópria. A Bíblia diz: Deus dá a cada um de nós habilidade para fazer bem determinadas coisas? Visto que suas capacidades naturais vieram de Deus, elas são tão importantes e “espirituais” quanto seus dons espirituais. A única diferença é que você as recebeu no nascimento.
Uma das desculpas mais comuns que as pessoas dão para não servir é: “Eu simplesmente não tenho nenhuma aptidão a oferecer”. Isso é ridículo. Você tem dezenas, provavelmente centenas de habili¬dades inexploradas, desconhecidas e ociosas, que estão latentes dentro de você. Vários estudos revelaram que uma pessoa comum tem de quinhentas a setecentas capacidades e habilidades — muito mais do que você imagina.
Por exemplo: o cérebro pode armazenar 100 trilhões de fatos. Sua mente pode lidar com 15 mil decisões por segundo, como ocorre quando seu sistema digestivo está trabalhando. Seu olfato pode per¬ceber até 10 mil odores diferentes. Seu tato pode detectar um ele¬mento com um mícron de espessura e sua língua pode detectar o gosto de uma parte de quinino em dois milhões de partes de água. Você é um conjunto de habilidades incríveis, uma maravilhosa cria¬ção de Deus. Parte da responsabilidade da igreja é identificar e disponibilizar essas habilidades para servir a Deus.

Todas as habilidades podem ser usadas para a glória de Deus. Paulo disse: Quer vocês comam, bebam ou façam qualquer outra coisa, façam tudo para a glória de Deus.4 A Bíblia é cheia de exem¬plos de diferentes capacidades que Deus usou para sua glória. Aqui estão apenas algumas mencionadas nas Escrituras: capacidade ar¬tística, capacidade arquitetônica, administração, culinária, constru¬ção de navios, produção de doces, capacidade para debates, dese¬nho, embalsamamento, bordados, gravação, agricultura, pesca, jardinagem, liderança, gerenciamento, serviços de alvenaria, composi¬ção, produção de armas, trabalhos com agulhas, pintura, plantação, filosofia, habilidade com maquinarias, invenções, carpintaria, nave¬gação, atividades militares, alfaiataria, ensino, literatura e poesia. A Bíblia diz: Há diferentes habilidades para realizar o trabalho, mas é o mesmo Deus quem dá a cada um a habilidade para fazê-lo.5 Deus tem um lugar em sua igreja, onde sua habilidade pode se distinguir e você pode fazer a diferença. Cabe a você achar esse lugar.
Deus dá a algumas pessoas a habilidade de ganhar muito dinheiro. Moisés disse aos israelitas: Mas lembrem-se do SENHOR, O seu Deus, pois é ele que lhes dá a capacidade de produzir riqueza.6 Pes¬soas com essa capacidade são boas em fazer os negócios crescerem, fechar acordos ou vendas e obter lucro. Se você possui habilidade para os negócios, deve usá-la para a glória de Deus. Como? Primeiro, compreenda que sua habilidade veio de Deus e dê o crédito a ele. Segundo, use sua empresa ou negócio para auxiliar na necessidade dos outros e partilhe sua fé com os que não crêem. Terceiro, devolva ao menos o dízimo (10%) do lucro para Deus, como ato de adoração.7 E, por fim, fixe para si a meta de ser um construtor do Reino, em vez de ser um construtor de riquezas. Vou explicar isso melhor no capítulo 33.

Deus quer que eu faça aquilo que sou capaz de fazer. Você é a única pes¬soa na terra que pode usar suas habi-lidades. Ninguém mais pode assumir o seu papel, porque ninguém mais pos¬sui a configuração exclusiva que Deus lhe deu. A Bíblia diz que Deus equipa você com tudo o que [você necessita] para fazer a sua vontade.8 Para descobrir a vontade de Deus para sua vida, você deve examinar seriamente em que você é bom e para que não tem habilidade.
Se Deus não lhe deu a habilidade de cantar bem, não esperará que você seja cantor de ópera. Deus jamais lhe pedirá que dedique a vida a uma tarefa para a qual você não tem talento. No entanto, as habilidades que você efetivamente tem são um forte indício do que Deus quer que você faça com sua vida. São pistas para que você conheça a vontade de Deus para você. Se você for bom em projetar, recrutar, desenhar ou organizar, é seguro supor que os planos de Deus para sua vida incluem tal habilidade de alguma forma. Deus não desperdiça habilidades; ele combina nosso chamado com nos-sas habilidades.
Suas habilidades não foram concedidas apenas para que você ganhe a vida; Deus as concedeu para que você exerça seu ministério. Pedro disse: Deus deu a cada um de vocês algumas capacidades especiais; estejam certos de as estarem utilizando para se ajudarem mutuamente, transmitindo aos outros as muitas espécies de bên¬çãos de Deus.9
Enquanto este livro é escrito, aproximadamente sete mil pessoas estão usando suas habilidades para o ministério na igreja de Saddleback, suprindo todo tipo de serviço que você possa imaginar: con¬sertando carros doados para que sejam dados aos necessitados, achando os melhores negócios para as compras da igreja, trabalhan¬do com paisagismo, organizando arquivos, projetando arte, progra¬mas e prédios, fornecendo tratamento de saúde, preparando refei¬ções, compondo músicas, ensinando música, escrevendo propostas de subvenções, treinando times, fazendo pesquisas para sermões ou traduzindo-os e realizando centenas de outras tarefas especializa¬das. Dizemos aos novos membros: “Não importa no que você é bom; seja o que for, você deve estar fazendo para sua igreja!”

Forma: Usando seu modo de ser
Não nos damos conta de como cada um de nós é verdadeiramente único. As moléculas de DNA podem se reunir em um número infinito de formas. A possibilidade de você algum dia vir a encontrar alguém exatamente igual a você é de 1 para 10 elevado a 2 400 000 000ª. potência. Se você fosse escrever esse número com cada zero da espessura de uma polegada, seria necessário uma tira de papel com 60 mil quilômetros!
Para que você coloque isso em perspectiva, alguns cientistas acre¬ditam que o número de todas as partículas do Universo não passa de 10 seguido de 76 zeros; um número muito menor que as possibi¬lidades de seu DNA. Sua singularidade é um fato científico da vida. Quando Deus o fez, ele quebrou a forma. Nunca houve nem haverá alguém exatamente igual a você.
É obvio que Deus aprecia a diversidade — basta olhar à volta! Ele criou cada um de nós com uma combinação exclusiva de traços de personalidade. Deus fez os introvertidos e os extrovertidos. Fez as pessoas que gostam de rotina e as que gostam de variar. Fez algu¬mas pessoas “racionais” e outras “emocionais”. Algumas pessoas tra¬balham melhor em tarefas individuais, enquanto outras trabalham melhor em equipe. A Bíblia diz: Deus age por intermédio de homens e maneiras diferentes, mas é o mesmo Deus que atinge seus propó¬sitos mediante todos eles.10
A Bíblia nos dá um monte de provas de que Deus usa todos os tipos de personalidades. Pedro era sangüíneo. Paulo era colérico. Jeremias era melancólico. Quando você vê as diferenças de persona¬lidade entre os doze discípulos, fica fácil entender por que algumas vezes houve conflitos interpessoais.
Não existe temperamento “certo” ou “errado” para o ministério. Todos os tipos de personalidades são necessárias para equilibrar a igreja e lhe dar sabor. O mundo seria um lugar muito chato se fôsse¬mos todos apenas baunilha. Felizmente, as pessoas vêm em mais de 31 sabores.
Seu modo de ser ou personalidade afetará como e onde você usa¬rá suas habilidades e dons espirituais. Por exemplo: duas pessoas podem ter o dom de evangelização, mas, se uma é introvertida e a outra é extrovertida, esse dom será expresso de formas distintas.
Marceneiros sabem que é mais fácil trabalhar no sentido das fi¬bras da madeira do que de modo perpendicular a elas. Do mesmo modo, quando você é forçado a ministrar de forma contrária ao seu temperamento, cria-se tensão e desconforto, exigem-se quantidades extras de esforço e energia e os melhores resultados não são atingi¬dos. É por isso que copiar o ministério de outra pessoa nunca funcio¬na; você não detém a personalidade da outra pessoa. Além do mais, Deus o fez para ser você! Você pode aprender a partir do exemplo de outras pessoas, mas deve filtrar o que aprende através de sua pró¬pria forma. Hoje em dia existem muitos livros e ferramentas que podem ajudá-lo a compreender sua personalidade, para que você possa determinar como usá-la para Deus.
Como vidro colorido, nossas diferentes personalidades refletem a luz de Deus em muitas cores e padrões. Isso abençoa a família de Deus com intensidade e variedade, e também nos abençoa pessoal¬mente. É agradável fazer aquilo para o que Deus o preparou. Quando você mi¬nistra de forma coerente com a perso¬nalidade que Deus lhe deu, sente-se realizado, satisfeito e produtivo.

Forma: Utilizando suas áreas de experiência
Você foi formado pelas experiências que teve na vida, estando a maioria delas além de seu controle. Deus as permitiu para o seu propósito na sua formação.11 Ao determinar sua FORMA para servir a Deus, você deve examinar ao menos seis tipos ou áreas de experiên¬cias de seu passado:

• Experiências familiares: O que você aprendeu sendo criado por sua família?
• Experiências educacionais: Quais eram suas matérias favori¬tas na escola?
• Experiências vocacionais’. Em quais empregos você foi mais eficiente e de que mais gostou de trabalhar?
• Experiências espirituais. Qual foi sua época mais significativa com Deus?
• Experiências no ministério: Como você serviu a Deus no pas¬sado?
• Experiências árduas: Com quais problemas, mágoas, espinhos e provações você aprendeu?

É a última categoria, experiências árduas, que Deus mais usa para prepará-lo para o ministério. Deus jamais desperdiça uma dor! Na verdade, é muito provável que seu maior ministério surja de sua maior dor. Quem poderia ministrar melhor aos pais de uma criança com síndrome de Down do que outro casal que tenha um filho pade¬cendo do mesmo mal? Quem poderia ajudar melhor na recuperação de um alcoólatra do que alguém que tenha combatido esse demônio e tenha achado a liberdade? Quem poderia confortar melhor uma esposa que tenha sido trocada por uma amante do que uma mulher que tenha passado pela mesma agonia?
Deus intencionalmente permite que você passe por experiências árduas, a fim de capacitá-lo a ministrar às outras pessoas. A Bíblia diz: Ele nos conforta em todos os nossos problemas, de modo que podemos confortar a outros. Quando alguém estiver atribulado, se¬remos capazes de dar-lhe o mesmo conforto que recebemos de Deus.12 Se você realmente deseja ser usado por Deus, deve entender uma verdade poderosa: as mesmas experiências que lhe trouxeram mais arrependimento e ressentimento na vida — aquelas que você queria esconder e esquecer são as que Deus quer usar para ajudar aos ou¬tros. Elas são seu ministério!
Para que Deus utilize suas experiências dolorosas, você deve estar disposto a partilhá-las. Você tem de parar de encobri-las e deve admitir honestamente suas faltas, fracassos e temores. Fazer isso provavelmente tornará seu minis¬tério mais eficiente. As pessoas se sen¬tem mais estimuladas quando lhes contamos como a graça de Deus nos ajudou na fraqueza do que quando fa¬zemos alarde sobre nossa força.
Paulo compreendeu essa verdade, por isso era honesto sobre seus acessos de depressão. Ele admitia: Eu acho que vocês devem saber, amados irmãos, que tempos difí¬ceis nós atravessamos na Ásia. Fomos realmente esmagados e opri-midos, e tivemos medo de não conseguir sobreviver. Sentimos que estávamos condenados à morte e percebemos como éramos fracos demais para socorrer-nos a nós mesmos; isso, porém, foi bom, por¬que assim nós colocamos tudo nas mãos de Deus, o único que poderia salvar-nos, pois é capaz até de le¬vantar os mortos. E ele nos ajudou mesmo, e nos sal¬vou de uma morte terrível; sim, e esperamos que ele faça assim sempre.13
Se Paulo tivesse mantido em segredo sua experiência de dúvida e depressão, milhões de pessoas nunca se teriam beneficiado dela. Somente experiências partilhadas podem benefici¬ar os outros. Aldous Huxley disse: “Experiência não é o que acontece com você. É o que você faz com o que acontece com você”. O que você fará com o que você tem passado? Não desperdice sua dor; use-a para ajudar os outros.
Após termos visto essas cinco vias que Deus utilizou a fim de moldá-lo para seu serviço, espero que você venha a apreciar mais profundamente a soberania de Deus e tenha uma idéia mais clara de como ele o preparou para o propósito de servi-lo. Utilizar a sua for¬ma é o segredo tanto da produtividade quanto da realização no ministério.14 Você alcançará sua eficiência máxima quando utilizar seus dons espirituais e habilidades na área de interesse de seu cora¬ção, de uma forma que melhor expresse sua personalidade e suas experiências. Quanto melhor o enquadramento, mais bem-sucedido você será.

TRIGÉSIMO PRIMEIRO DIA
PENSANDO SOBRE MEU PROPÓSITO

Um tema para reflexão: Ninguém mais pode ser eu.

Um versículo para memorizar: Deus deu a cada um de vocês algumas capacidades especiais; estejam certos de as estarem utilizando para se ajudarem mutuamente, transmitindo aos outros as muitas espécies de bênçãos de Deus (1 Pedro 4.10; BV).

Uma pergunta para meditar: Que capacidade dada por Deus ou experiência pessoal posso oferecer a minha igreja?

Dia 32
Usando o que Deus lhe deu

Visto que nos descobrimos moldados nessas partes excelentemente formadas e maravilhosamente funcionais do corpo de Cristo, passemos adiante e sejamos o que fomos feitos para ser.
Romanos 12.5; Msg

O que você é, é um presente de Deus para você; o que você faz consigo, é um presente seu para Deus.
Provérbio dinamarquês

Deus merece o melhor de você.
Ele o formou para um propósito e espera que você faça o máximo com aquilo que recebeu. Ele não quer que você se aflija ou cobice talentos que não tem. Em lugar disso, ele quer que você se concentre nos talentos que ele lhe deu para usar.
Quando você tenta servir a Deus de forma não natural, é como forçar um pino quadrado em um buraco redondo. É frustrante e produz resultados limitados. Também é um desperdício de tempo, talento e energia. O melhor uso para sua vida é servir a Deus em conformidade com sua natureza. Para fazê-lo, você deve descobrir sua FORMA, aprender a aceitá-la e a apreciá-la para depois desen¬volvê-la ao seu potencial máximo.

Descubra sua forma
A Bíblia diz: Não procedam imprudentemente, mas procurem desco¬brir e fazer tudo que o Senhor quer que vocês façam.1 Não deixe que se passe outro dia. Comece a averiguar e a esclarecer quem Deus quer que você seja e o que ele quer que você faça.
Comece avaliando seus dons e habilidades. Analise de forma de¬morada e honesta em que você é bom e em que não é. Paulo aconse¬lhou: … procurem fazer um juízo correto de suas capacidades.2 Faça uma lista. Peça às outras pessoas uma opinião justa. Diga-lhes que quer descobrir a verdade, não ganhar elogios. Dons espirituais e habi¬lidades naturais são sempre confirmadas pelos outros. Se você pensa ser talentoso para ensinar ou cantar, mas ninguém mais concorda, adivinhe! Se você quiser saber se tem o dom de liderança, basta olhar por cima do ombro! Se ninguém o estiver seguindo, você não é líder.
Faça perguntas assim: “Onde pude ver frutos em minha vida que foram confirmados por outras pessoas? Onde já fui bem-sucedido?”. Exame de dons espirituais e listas de capacidades podem ter algum valor, mas estão limitadas à sua utilização. Em primeiro lugar, elas são padronizadas; logo, não le¬vam em conta seu caráter exclusivo. Em segundo, não existem definições de dons espirituais na Bíblia; logo, qual¬quer definição é arbitrária e normalmente representa uma ten¬dência denominacional. Outro problema é que quanto mais ma¬duro você se torna, maiores são as probabilidades de você manifes¬tar características de vários dons. Você pode estar servindo, ensi¬nando ou se dedicando generosamente em virtude de sua maturida¬de, mas não por causa de um dom espiritual.
A melhor maneira de descobrir seus dons e capacidades é experi¬mentar diferentes áreas de ocupação. Eu poderia ter feito uma cen¬tena de testes para dons e habilidades quando era jovem, mas ja¬mais descobriria que tinha o dom do ensino, porque era algo que eu nunca tinha feito! Foi somente após ter começado a aceitar convites para palestras que vi os resultados — outras pessoas confirmaram, e então percebi: “Deus me dotou para isso”!
Muitos livros apresentam o processo de descobrimento de trás para frente. Eles dizem: “Descubra seu dom espiritual, e então saberá a qual ministério deve se dedicar”. Isso na verdade funciona de forma exatamente oposta. Comece a servir, experimentando diferentes mi¬nistérios, e então você descobrirá seus dons. Enquanto não estiver efetivamente envolvido em servir, não saberá em que é realmente bom.
Você tem dezenas de habilidades escondidas e dons que desconhe¬ce porque nunca os pôs à prova. Por isso, eu incentivo a tentar fazer coisas que nunca fez anteriormente. A despeito de sua idade, devo exortá-lo a nunca deixar de experimentar. Conheci muitas pessoas que descobriram talentos escondidos após setenta ou oitenta anos. Conhe¬ço uma mulher na casa dos noventa anos que corre e vence corridas de 10 mil metros, e não sabia que gostava de correr até completar 78 anos!
Não tente entender seus dons até ser voluntário para servir em algum lugar. Tão-somente comece a servir. Você descobre seus dons ao se envolver no ministério. Tente ensinar, liderar, organizar, tocar um instrumento ou trabalhar com adolescentes. Você nunca saberá em que é bom enquanto não tentar. Quando não der certo, chame de “experiência”, não de fracasso. Em algum momento, você irá desco¬brir no que é bom.

Leve em consideração seu coração e sua personalidade. Paulo aconselhou: Faça um exame cuidadoso de quem você é e do trabalho que tem realizado; então dedique-se a isso inteiramente.3 Mais uma vez, é proveitoso colher informações de quem o conhece me¬lhor. Faça perguntas a si mesmo: “O que eu realmente mais gosto de fazer? Em quais momentos me sinto mais vivo? O que estou fazendo quando perco a noção de tempo? Gosto de rotina ou de variedade? Prefiro servir em equipe ou por conta própria? Sou intro¬vertido ou extrovertido? Sou racional ou emocional? De que gosto mais: competir ou cooperar?”.

Examine suas experiências e extraia lições já aprendidas. Ana¬lise sua vida e pense em como ela o moldou. Moisés disse aos israe¬litas: Pensem hoje na grandeza de Deus e naquilo que aprenderam a respeito do seu poder e da sua força.4 Experiências esquecidas são inúteis; eis uma boa razão para se manter um diário espiritual. Pau¬lo se preocupou em que os crentes na Galácia tivessem esquecido o sofrimento pelo qual haviam passado. Ele disse: Toda as suas expe-riências foram desperdiçadas? Espero que não! 5
Nós raramente vemos o bom propósito de Deus na dor, no fracas¬so ou na vergonha; enquanto o fato está ocorrendo. Quando lavou os pés de Pedro, Jesus disse: Você não compreende agora o que estou lhe fazendo; mais tarde, porém, entenderá.6 Somente em retrospecto compreendemos como Deus planejou um problema para o bem.
Extrair lições de suas experiências leva tempo. Sugiro que você tire um final de semana para um retiro de análise da vida, onde irá parar para ver como Deus trabalhou em vários momentos decisivos de sua vida e para avaliar como ele quer usar essas lições para aju¬dar os outros. Existem recursos que podem auxiliá-lo a fazer isso.7

Aceite e desfrute de sua forma
Uma vez que Deus sabe o que é melhor para você, você deveria aceitar com gratidão o modo em que ele o moldou. A Bíblia diz: Mais exatamen¬te, quem és tu, ó homem, para discutires com Deus? Vai acaso a obra dizer ao artífice: Por que me fizeste assim? O oleiro não pode formar da sua massa seja um utensílio para uso nobre, seja outro para uso vil? 8 Sua FORMA foi determinada soberanamente por Deus, para o pro¬pósito dele, então você não deve se ressentir ou rejeitá-la. Em vez de tentar se remodelar para ser outra pessoa, você deve comemorar a FORMA que Deus deu somente a você. Entretanto, Cristo concedeu aptidões especiais a cada um de nós — qualquer coisa que ele deseja que recebamos de seu rico depósito de dons.9
Parte da aceitação de sua FORMA está no reconhecimento de suas limitações. Ninguém é bom em tudo, e ninguém é chamado para ser tudo. Todos temos papéis definidos. Paulo compreendeu que seu chamado não era para realizar tudo ou agradar a todos, mas sim para se concentrar no ministério específico para o qual Deus o havia formado.10 Ele disse: Nosso alvo é ficar dentro dos limites do que Deus planejou para nós.11
A palavra limite se refere ao fato de Deus ter destinado cada um de nós para um campo ou esfera de serviço. Sua FORMA determina sua especialidade. Quando tentamos estender nosso ministério para além do que Deus nos preparou para fazer, experimentamos pres¬são. Assim como em uma corrida cada competidor recebe uma raia, devemos individualmente correr com perseverança a carreira especi¬al que Deus pôs diante de nós.12 Não sinta inveja do corredor na raia ao seu lado; simplesmente se concentre em terminar sua corrida.
Deus quer que você goste de usar a FORMA que ele lhe deu. A Bíblia diz: Esteja certo de fazer o que você deveria estar fazendo, pois assim você desfrutará a satisfação pessoal de ter feito o seu trabalho bem feito e não precisará comparar-se com ninguém.13 Satanás tentará lhe roubar a alegria do serviço de duas formas: tentando-o para comparar seu ministério com os dos outros e tentando-o para adaptar seu ministério às expectativas dos outros. Ambas são ar¬madilhas mortais que irão distraí-lo do serviço tal como definido por Deus. Toda vez que você começar a perder a alegria no seu ministério, comece verificando se uma dessas tentações é a causa.
A Bíblia nos adverte a jamais nos comparar com os outros: Faça bem o seu trabalho, e assim terá algo de que se orgulhar. Mas não se compare com os outros.14 Existem duas razões pelas quais você ja¬mais deveria comparar sua vocação, seu ministério ou os resultados de seu ministério com o de qualquer outro. Primeiro, você sempre irá achar alguém que pareça estar fazendo um trabalho melhor que o seu, e isso irá desencorajá-lo. Ou você sempre encontrará alguém que não pareça ser tão eficiente quanto você, e então se tornará arrogante. Ambas as atitudes lhe tirarão do serviço e roubarão sua alegria.
Paulo disse que é tolice nos compararmos com os outros. Ele dis¬se: Não temos a pretensão de nos igualar ou de nos comparar com alguns que se recomendam a si mesmos. Quan¬do eles se medem e se comparam consigo mes¬mos, agem sem entendimento.15 A paráfrase des¬te versículo segundo a versão The Message [A Mensagem] diz: Em todo essa comparação, medição e competição, eles acabam perdendo o que é mais importante.16
Você irá descobrir que pessoas que não compreendem sua FOR¬MA para o ministério irão criticá-lo e tentar fazê-lo corresponder ao que eles pensam que você deveria estar fazendo. Ignore-os. Paulo tinha de lidar constantemente com críticos que não compreendiam e denegriam seu serviço. Sua resposta era sempre a mesma: evite com¬parações, resista aos exageros, e almeje somente os elogios de Deus.17
Uma das razões por que Paulo foi usado tão poderosamente nas mãos de Deus foi ter se recusado a ser distraído por críticas ou por comparações de seu ministério com o de outras pessoas ou a ser arrastado para debates contraproducentes sobre seu ministério. Como John Bunyan disse: “Se minha vida é infrutífera, isso não importa a quem me enaltece e, se minha vida é frutífera, isso não importa a quem me critica”.

Continue desenvolvendo sua forma
A parábola dos talentos, contada por Jesus, demonstra que Deus quer que façamos o máximo com o que ele nos dá. Devemos cultivar nossos dons e habilidades, manter nosso coração em chamas, desen¬volver nosso caráter e nossa personalidade e ampliar nossas experi¬ências para que sejamos cada vez mais eficientes em nosso serviço. Paulo disse aos filipenses: Continuem crescendo em conhecimento e entendimento.18 E relembrou a Timóteo: Mantenha viva a chama do dom de Deus que está em você.19
Se você não exercitar os músculos, eles enfraque¬cem e atrofiam. Da mesma maneira, se não utilizar as habilidades e capacidades que Deus lhe deu, você irá perdê-los. Jesus ensinou a parábola dos talentos para enfatizar essa verdade. Aludindo ao servo que falhou em utili¬zar um talento, o mestre disse: Tirem o talento dele e entreguem-no ao que tem dez.20 Deixe de usar aquilo que lhe foi dado, e você o perderá. Use a habilidade que possui, e Deus a aumentará. Paulo disse a Timóteo: Não deixe de usar as aptidões que Deus lhe deu por meio dos seus profetas quando os anciãos da igreja colocaram as mãos sobre a sua cabeça. Ponha essas aptidões em ação; atire-se às suas tarefas de tal maneira que todos percebam o seu aperfeiçoa¬mento e progresso.21
Quaisquer que sejam os dons que lhe tenham sido concedidos, eles podem ser ampliados e desenvolvidos pela prática. Por exem¬plo: ninguém tem o dom de ensino completamente desenvolvido. Mas com estudo, opiniões e prática, um “bom” professor pode se tornar um professor melhore, com o tempo, tornar-se um mestre do ensino. Não se acomode com dons desenvolvidos pela metade. Apren¬da e se expanda o mais que puder. Concentre-se em fazer seu melhor para Deus, um trabalho do qual não tenha vergonha.22 Aproveite todas as oportunidades de treinamento para desenvolver sua FOR¬MA e aguce suas habilidades para o serviço de Deus.
No céu, serviremos a Deus para sempre. Neste momento, pode¬mos nos preparar para esse serviço eterno, praticando na terra. Como atletas que se preparam para as Olimpíadas, continuamos treinan¬do para o grande dia: Eles fazem isso pela medalha de ouro que perde o brilho e desbota. Você está em busca da medalha de ouro eterna.23
Estamos nos preparando para responsabilidades e recompensas eternas.

TRIGÉSIMO SEGUNDO DIA
PENSANDO SOBRE MEU PROPÓSITO

Um tema para reflexão: Deus merece o melhor de mim.

Um versículo para memorizar: Procure apresentar-se a Deus aprovado, como obreiro que não tem do que se en¬vergonhar e que maneja corretamente a palavra da ver¬dade (2 Timóteo 2.15; NVI).

Uma pergunta para meditar: Qual a melhor maneira de usar o que Deus me deu?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s