#Palavras do Pai

DIA 33 E 34

Como os verdadeiros servos agem

Quem quiser ser o maior deve se tornar servo. Marcos 10.43; Msg

Vocês podem dizer o que eles são pelo que eles fazem. Mateus 7.16; cev

Servimos a Deus ao servir os outros.

O mundo define grandeza em termos de poder, posses, prestígio e posição. Se puder exigir que as outras pessoas o sirvam, você con­seguiu chegar lá. Em nossa cultura egoísta, com sua mentalidade do “eu primeiro”, agir como servo não é uma noção apreciada.

Jesus, entretanto, mediu a grandeza em termos de serviço, e não de posição social. Deus avalia nossa grandeza pela quantidade de pessoas que servimos, não pela quantidade de pessoas que nos ser­vem. Isso é tão oposto à idéia de grandeza do mundo que é difícil compreender, quanto mais praticar. Os discípulos debateram sobre quem merecia a posição de maior destaque, e, dois mil anos depois, líderes cristãos ainda fazem manobras em busca de posição e proeminência nas igrejas, denominações e organizações pareclesiásticas. Milhares de livros têm sido escritos sobre a atividade do líder, mas poucos sobre a atividade do servo. Todos querem liderar, mas ninguém quer ser servo. Preferimos ser generais a ser soldados rasos. Até mesmo os cristãos querem ser “líderes-servos”, e não apenas sim­ples servos. Mas ser como Jesus é ser servo. Foi assim que ele chamou a si mesmo.

Embora conhecer a FORMA seja importante para servir a Deus, ter o coração de servo é ainda mais importante. Lembre-se: Deus o formou para servir, e não para ser egoísta. Sem o coração de servo, você será tentado a empregar mal sua FORMA, usando-a para vanta­gens pessoais. Você será também tentado a usá-la como desculpa, para se eximir de satisfazer algumas necessidades.

É comum que Deus teste nosso coração, pedindo-nos que sirva­mos em modalidades para as quais não somos habilitados. Se você vir um homem caindo em uma vala, Deus espera que você o ajude, e não que diga: “Não tenho o dom de misericórdia ou assistência”. Embora não seja dotado para uma tarefa em particular, você pode ser chamado a realizá-la, se ninguém mais com o talento em questão estiver por perto. Seu ministério principal deve ser exercido na esfera de sua FORMA, mas seu ministério secundário é em qualquer lugar em que você seja neces­sário no momento.

Sua FORMA revela seu ministério, mas seu coração de servo reve­lará sua maturidade. Não é necessário nenhum talento especial para ficar após uma reunião e coletar o lixo ou empilhar cadeiras. Qual­quer um pode ser servo. Caráter é a única coisa necessária.

É possível servir na igreja durante toda uma vida sem jamais ter sido servo. Deve-se ter o coração de servo. Como você pode saber se possui coração de servo? Jesus disse: Vocês podem dizer o que eles são pelo que eles fazem.1

Os verdadeiros servos estão à disposição para servir. Eles não preenchem seu tempo com outras atividades que possam limitar sua disponibilidade. Querem estar prontos a servir imediatamente quando são chamados. Semelhante ao soldado, o servo deve estar sempre pronto para o dever: Nenhum soldado se deixa envolver pe­los negócios da vida civil já que deseja agradar aquele que o alistou.2 Se você só serve quando lhe é conveniente, então não é um servo de verdade. Verdadeiros servos fazem o que é necessário mes­mo quando é inconveniente.

Você está disponível para Deus a qualquer momento? Ele pode estragar seus planos sem que você fique ressentido? Como servo, você não pode ser seletivo sobre quando e onde irá servir. Ser servo significa desistir do direito de controlar sua agenda e permitir que Deus a interrompa sempre que precisar.

Se ao início de cada dia você relembrar que é servo de Deus, as interrupções não serão muito frustrantes, pois sua agenda será for­mada por qualquer coisa que Deus quiser colocar na sua vida. Os servos vêem interrupções como compromissos divinos para o minis­tério, e ficam felizes com a oportunidade de servir na prática.

Os verdadeiros servos prestam atenção às necessidades. Os ser­vos estão sempre atentos a formas de ajudar os outros. Quando vêem uma necessidade, agarram a oportunidade de auxiliar, exatamente como a Bíblia nos ordena: Portanto, enquanto temos oportunidade, façamos o bem a todos, especialmente aos da família da fé.3 Quando Deus põe alguém em situação de necessidade bem a sua frente, ele está lhe dando a oportunidade de crescer como servo. Repare que Deus diz que as necessidades de sua família na igreja devem ter preferência, não devem ser colocadas no fim de sua lista de coisas a fazer.

Deixamos escapar muitas oportunidades para ser­vir porque nos falta sensibilidade e espontaneida­de. Grandes oportunidades para servir nunca duram muito. Elas passam rapidamente, e algumas vezes nunca voltam a ocorrer. Você provavelmente terá apenas uma chance de auxiliar aquela pessoa; então, aproveite a oportunida­de. Não diga ao seu vizinho que espere até amanhã, se você pode ajudá-lo hoje.4

John Wesley foi um fantástico servo de Deus. Seu lema era: “Faça todo o bem que puder, com todos os recursos de que dispuser, de todas as formas que puder, em todos os lugares que puder, sempre que puder, a todas as pessoas que puder, enquanto você puder”. Isso é grandeza. Você pode começar procurando pequenas tarefas que ninguém mais quer fazer. Faça essas pequenas coisas como se fos­sem grandes coisas, pois Deus está observando.

Os verdadeiros servos fazem o melhor que podem com o que têm à mão. Servos não dão desculpas, não deixam para a última hora, nem esperam circunstâncias melhores. Nunca dizem “Um dia destes” ou “Quando for a hora certa”. Simplesmente fazem o que precisa ser feito. A Bíblia diz: Se você ficar esperando as condições perfeitas, nunca fará nada.5 Deus espera que você faça o que puder, com o que você tem e onde quer que você esteja. Um serviço não tão perfeito é sempre melhor que a melhor das intenções.

Uma razão que impede muitas pessoas de servir é que elas te­mem não serem boas o suficiente para servir. Acreditaram na menti­ra de que servir a Deus é somente para pessoas altamente talentosas e bem-sucedidas. Algumas igrejas fomentaram esse mito ao tornar a “excelência” um ídolo, o que faz pessoas com talentos comuns hesi­tarem em se envolver.

Você já deve ter ouvido alguém dizer: “Se isso não pode ser feito com excelência, não o faça”. Bem, Jesus nunca disse isso! A verdade é que, quase tudo que fazemos é feito de modo deficiente quando começamos a fazê-lo — é assim que aprendemos. Na igreja de Saddleback, praticamos o princípio do “suficientemente bom”: não precisa ser perfeito para Deus usar e abençoar. Preferimos envolver milhares de pessoas normais no ministério do que ter uma igreja perfeita dirigida por uma pequena elite.

Os verdadeiros servos fazem qualquer tarefa com igual dedi­cação. O que quer que façam, os servos o fazem de todo o coração.6 O tamanho da tarefa é irrelevante. A única questão é: ela precisa ser feita?

Você jamais chegará a um estágio na vida em que será importan­te demais para ajudar em tarefas servis. Deus jamais irá eximi-lo do que é trivial. É uma parte vital no currículo de seu caráter. A Bíblia diz: Se você pensa ser muito importante para ajudar alguém neces­sitado, está na verdade enganando a si mesmo. Você é realmente insignificante.7 É nesses pequenos serviços que crescemos à seme­lhança de Cristo.

Jesus se especializou em tarefas servis, que todo o mundo tenta­va evitar: lavar pés, ajudar crianças, preparar o café da manhã e servir leprosos. Nada estava abaixo dele, porque ele veio para servir. Não foi apesar de sua grandeza que ele fez essas coisas, mas por causa dela, e ele espera que sigamos seu exemplo.8

Pequenas tarefas muitas vezes demonstram um grande cora­ção. Seu coração de servo se revela em pequenos atos que outros nem pensam em fazer, como quando Paulo reuniu gravetos para acender um fogo a fim de que todos se aquecessem após um naufrá­gio.9 Ele estava tão exausto como qualquer outro, mas fez aquilo de que todos precisavam. Nenhuma tarefa está abaixo de você quando você tem coração de servo.

As grandes oportunidades estão normalmente camufladas en­tre as tarefas menores. As pequenas coisas da vida determinam as grandes. Não busque realizar grandes tarefas para Deus. Tão-so­mente faça as coisas não tão grandes, e Deus o designará para qualquer coi­sa que ele queira que você faça. Mas antes de tentar o extraordinário, ten­te servir normalmente.10

Sempre haverá mais pessoas dis­postas a fazer “grandes” coisas para Deus do que pessoas dispostas a fazer pequenas coisas. A corrida para a liderança está apinhada de candidatos, mas o campo é amplo para os dispostos a ser servos. Algumas vezes você serve “de baixo para cima” àqueles que possuem autoridade, e algumas vezes você serve “de cima para baixo” àqueles que se encontram necessitados. Em ambos os casos, você desenvolve o coração de servo, quando está disposto a fazer o que for necessário.

Os verdadeiros servos são fiéis ao seu ministério. Os servos concluem suas tarefas, cumprem suas responsabilidades, mantêm suas promessas e levam a cabo seus compromissos. Não deixam um serviço feito pela metade e não desistem quando perdem o incenti­vo. São confiáveis e dignos de crédito.

A fidelidade sempre foi uma qualidade rara.11 A maioria das pes­soas não sabe o valor do compromisso. Elas firmam compromissos de forma casual, e então os quebram pela razão mais fútil sem ne­nhuma hesitação, remorso ou arrependimento. Todas as semanas, igrejas e outras organizações são obrigadas a improvisar, porque os voluntários não se prepararam, não apareceram nem mesmo liga­ram para dizer que não viriam.

As outras pessoas podem contar com você? Existem promessas que você precisa manter, votos que precisa cumprir ou compromis­sos que precisa honrar? Isso é um teste. Deus está testando sua fidelidade. Passando nesse teste, você estará em boa companhia: Abraão, Moisés, Samuel, Davi, Daniel, Timóteo e Paulo foram chama­dos servos fiéis de Deus. E ainda melhor: Deus prometeu recompen­sar sua fidelidade na eternidade. Imagine como será no dia em que Deus lhe disser: Muito bem, meu servo bom e fiel. Você foi fiel ao lidar com essa pequena quantia; portanto, agora darei a você muito mais responsabilidades. Vamos celebrar juntos.12

A propósito, servos fiéis jamais se aposentam. Eles seguirão ser­vindo fielmente enquanto viverem. Você pode se aposentar de sua carreira, mas nunca se aposentará de servir a Deus.

Os verdadeiros servos mantêm a discrição. Servos não se pro­movem nem chamam a atenção para si mesmos. Em vez de agir para impressionar e se vestir para o sucesso, eles usam um avental de humildade para servir uns aos outros!13 Sendo reconhecidos por seus serviços, eles humildemente aceitam, mas não admitem que a notoriedade os distraia, desviando a atenção de seu trabalho. Paulo expôs um tipo de serviço que aparenta ser espiritual, mas que é na verdade apenas uma simulação, um show, um ato para atrair a aten­ção. Ele chamou isso de estar servindo à vista 14 — servir para que as pessoas fiquem impressionadas com quão espiritual nós somos. Esse era o pecado dos fariseus. Eles transformavam o auxílio às pessoas, a generosidade e até mesmo a oração em espe­táculo para os outros. Jesus detestava essa ati­tude e alertou: Tenham o cuidado de não prati­car seus deveres religiosos em público, a fim de serem vistos pelos outros. Se vocês agirem as­sim, não receberão nenhuma recompensa do Pai de vocês, que está no céu.15

A autopromoção e a atividade de servir não se misturam. Os verdadeiros servos não agem pela aprovação e pelo aplauso dos outros. Vivem para uma platéia com uma única pessoa. Como Paulo disse: Se eu ainda estivesse procurando agradar a homens, não seria servo de Cristo.16

Você não achará muitos servos verdadeiros sendo o centro das atenções. Na verdade, sendo possível, eles evitam isso. Eles se satisfazem em servir silenciosamente nas sombras. José é um grande exemplo. Ele não atraiu a atenção para si, mas serviu discretamente a Potifar, a seu carcereiro, ao padeiro e ao copeiro do faraó, e Deus abençoou sua postura. Quando faraó o elevou a uma posição de importância, José ainda manteve o coração de servo, até mesmo com seus irmãos, que o haviam atraiçoado.

Infelizmente, muitos líderes de hoje começam como servos, mas terminam como celebridades. Eles se tornam viciados em atenção, sem tomar consciência de que estar sempre sob os holofotes deixa a pessoa cega.

Você pode estar servindo no anonimato em algum lugar peque­no, sentindo-se desconhecido e sem valor. Ouça: Deus o pôs onde você está por um propósito! Ele conhece o número de fios de cabelo que há na sua cabeça e sabe o seu endereço. É melhor você ficar no seu lugar até que ele opte por mudá-lo. Ele o avisará se quiser que você vá para outro lugar. Seu ministério é importante para o Reino de Deus. Quando Cristo se manifestar novamente na terra, vocês também serão manifestos com ele, em glória. Por agora, contentem-se com o anonimato.17

Existem mais de 750 halls da fama nos Estados Unidos e mais de 450 publicações do tipo “quem é quem”, mas você não irá encontrar muitos servos verdadeiros nesses lugares. A notoriedade não signi­fica nada para os servos verdadeiros, porque eles sabem a diferença entre ser proeminente e ser importante. Existem vários atributos pro­eminentes no seu corpo, sem os quais você não poderia viver. As partes escondidas de seu corpo é que são indispensáveis. O mesmo ocorre com o corpo de Cristo. O serviço mais importante é, freqüen­temente, aquele que não é visto.18

No céu, Deus irá recompensar abertamente alguns de seus servos mais desconhecidos — pessoas das quais nunca ouvimos falar na terra, que orientaram crianças emocionalmente perturbadas, limpa­ram idosos que sofriam de incontinência, cuidaram de pacientes com aids e serviram de milhares de maneiras que desconhecemos.

Sabendo disso, não desanime quando seu serviço for desconheci­do ou nem for notado. Persista em servir a Deus! Lancem-se no tra­balho do Senhor, confiantes de que nada que vocês façam para ele seja perda de tempo ou de esforço.19 Mesmo o menor serviço é reco­nhecido por Deus e recompensado. Lembre-se das palavras de Jesus: E se, como meus representantes, vocês derem até mesmo um copo d’água fria e uma criança, serão seguramente recompensados.20

Trigésimo Terceiro Dia

Pensando sobre meu propósito

Um tema para reflexão: Sirvo a Deus quando sirvo aos outros.

Um versículo para memorizar: Se vocês derem até mes­mo um copo de água fria ao menor dos meus seguidores, certamente serão recompensados (Mateus 10.42; nlt).

Uma pergunta para meditar: Qual das seis característi­cas dos verdadeiros servos é a mais desafiadora para mim?

Dia 34

Pensando como servo

Meu servo Calebe pensa diferente e me segue de forma integra.

Números   14.24; ncv

Pensem de vocês mesmos tal como Cristo Jesus pensava de si mesmo.

Filipenses 2.5; Msg

Servir começa na mente.

Ser servo requer uma mudança de rumo em sua mente, uma alte­ração de postura. Deus está sempre mais interessado em por que você faz algo do que no que você faz. Atitudes contam mais que realizações. O rei Amazias perdeu a graça de Deus porque fez o que o Senhor aprova, mas não de todo o coração.1 Servos verdadeiros ser­vem a Deus com uma mentalidade que engloba cinco atitudes.

Os servos pensam mais nos outros do que em si. Os servos se concentram nas outras pessoas, e não em si. Esta é a verdadeira humildade: não pensar menos de si, mas pensar menos em si. Eles são abnegados. Paulo disse: Esqueçam de si o suficiente, para ajuda­rem ao próximo.2 É isso que significa “perder a vida” — esquecer-se de si mesmo para servir aos outros. Quando deixamos de nos con­centrar em nossas próprias necessidades, ficamos a par das necessi­dades ao nosso redor.

Jesus Esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo.3 Quan­do foi a última vez que você se esvaziou a si mesmo para benefício de alguém? Você não pode ser servo se estiver cheio de si mesmo. É somente quando nos esquecemos de nós que fazemos coisas que merecem ser lembradas.

Infelizmente, grande parte do serviço que prestamos é em causa própria. Servimos para que os outros gostem de nós, para sermos admirados ou para alcançarmos nossos objetivos. Isso é manipula­ção, e não ministério. Ficamos o tempo todo pensando, na verdade, em nós mesmos, e em como somos maravilhosos e nobres. Algumas pessoas tentam usar o serviço que fazem para barganhar com Deus: “Vou fazer isso por você, Deus, se você fizer aquilo por mim”. Os verdadeiros servos não tentam usar a Deus para seus propósitos; deixam que Deus os use para os propósitos dele.

Ser abnegado, assim como ser fiel, é uma qualidade extremamente rara. Dentre todas as pessoas que Paulo conheceu, Timóteo foi o úni­co exemplo que ele pôde apontar.4 Pensar como servo é difícil, pois en­tra em choque com o principal pro­blema de nossa vida: somos, por natureza, egoístas. Pensamos demais em nós mesmos. Por esse motivo, a humildade é uma luta diária, uma lição que temos de reaprender repetidamente. As oportunidades de ser servos colocam-se à nossa frente dezenas de vezes por dia, nas quais temos a chance de decidir entre satisfazer as nossas necessida­des e as necessidades dos outros. A abnegação é a essência do serviço. Podemos avaliar nosso coração, ver se somos servos pela forma de reagirmos quando os outros nos tratam como servos. Como você reage quando as pessoas não o levam em consideração, lhe dão or­dens o tempo todo ou o tratam como alguém inferior? A Bíblia diz: Se alguém tirar injustamente vantagem de você, use a oportunidade para agir como servo.5

Os servos pensam como administradores, não como donos. Os servos se lembram de que Deus é o dono de tudo. Na Bíblia, o administrador era o servo encarregado de gerenciar uma proprieda­de. José foi esse tipo de servo quando prisioneiro no Egito. Potifar confiou sua casa a José. Depois, o carcereiro confiou a prisão a José. Por fim, o faraó confiou a José toda a nação. O serviço e a adminis­tração andam juntas,6 pois Deus espera que sejamos dignos de con­fiança nas duas coisas. A Bíblia diz: O que se exige de quem tem essa responsabilidade é que seja fiel ao seu Senhor.7 Como você está lidan­do com os recursos que Deus lhe confiou?

Para tornar-se um verdadeiro servo, você terá de resolver a questão do dinheiro na sua vida. Jesus disse: Nenhum servo pode servir a dois senhores […] Vocês não podem servir a Deus e ao Dinheiro.8  Ele não disse “Vocês não devem”, mas “Vocês não podem”. É impossível. Viver para o ministério e viver para o dinheiro são objetivos que se excluem mutuamente. Qual deles você escolhe? Se você for servo de Deus, não pode fazer um “bico” por sua conta. Todo o seu tempo pertence a Deus. Ele exige lealdade exclusiva, e não fidelidade de meio expediente.

E o dinheiro que tem o maior potencial para substituir Deus na nossa vida. Mais pessoas são desviadas do serviço de Deus pelo materialismo do que por qualquer outra coisa. Elas dizem: “Após ter atingido meus objetivos financeiros, vou servir a Deus”. É uma deci­são tola, pela qual se arrependerão por toda a eternidade. Quando Jesus é seu Mestre, o dinheiro serve você, mas, se o dinheiro for seu mestre, você se torna escravo dele. A riqueza não é absolutamente um pecado, mas deixar de usá-la para a glória de Deus o é. Os servos de Deus sempre se preocupam mais com o ministério do que com o dinheiro.

A Bíblia é extremamente clara: Deus usa o dinheiro para saber se você é um servo fiel. Foi por isso que Jesus falou mais sobre o dinhei­ro do que sobre o céu ou o inferno. Ele disse: Assim, se vocês não forem dignos de confiança em lidar com as riquezas deste mundo ímpio, quem lhes confiará as verdadeiras riquezas? 9 A forma de você gerenciar seu dinheiro afeta a quantidade de bênçãos que Deus der­rama sobre sua vida.

No capítulo 31, mencionei dois tipos de pessoas: construtores do Reino e construtores de riquezas. Ambos são bons em fazer os negó­cios crescerem, fechar acordos ou vendas e obter lucro. Os construto­res de riquezas continuam a acumular fortunas para si, indepen­dentemente de quanto tenham alcançado, mas os construtores do Reino mudam as regras do jogo. Eles ainda tentam ga­nhar tanto dinheiro quanto for possível, mas fazem isso para distribuí-lo. Usam a riqueza para financi­ar a igreja de Deus e a sua missão no mundo.

Na Saddleback, temos um grupo de diretores de em­presas e donos de negócios que tentam fazer o melhor que podem, então fazem doações à medida de suas possibilidades, para promover o Reino de Deus. Eu os encorajo a conversar com seu pastor e iniciar um grupo de construtores do Reino em sua igreja. Procure auxílio no “Apêndice 2”.

Servos pensam no seu trabalho, e não no que os outros estão fazendo. Eles não fazem comparações, não criticam nem competem com os outros servos ou ministérios. Estão muito ocupados reali­zando o trabalho que Deus lhes deu.

A competição entre servos de Deus é absurda por muitas razões. Estamos todos no mesmo time; nosso objetivo é fazer que a pessoa de Deus apareça de forma positiva, e não a nossa pessoa. Recebemos diferentes atribuições e temos todos uma forma exclusiva. Paulo disse: Não vamos nos comparar uns com os outros, como se um fosse melhor e o outro pior. Temos coisas muito mais interessantes para fazer com nossa vida. Cada um de nós é um ser original.10

Não há lugar para ciúmes mesquinhos entre servos. Quando você está ocupado servindo, não há tempo para ser crítico. Todo tempo desperdiçado em criticar os outros poderia ser usado no ministério. Quando Marta reclamou para Jesus que Maria não a ajudava com o traba­lho, ela perdeu seu coração de serva. Os verda­deiros servos não reclamam de injustiças, não sentem pena de si mesmos nem ficam aborrecidos com os que não servem. Eles apenas confiam em Deus e seguem servindo.

Não é nossa função avaliar os outros servos do Mestre. A Bí­blia diz: Quem é você para criticar o escravo de alguém ? O Senhor determinará se seu escravo foi bem-sucedido ou não.11 E também não é nossa função nos defendermos das críticas. Deixe que seu Mestre tome conta disso. Siga o exemplo de Moisés, que se mostrou verdadei­ramente humilde quando enfrentou oposição. Ou faça como Neemias, cuja resposta às criticas era simplesmente: Meu trabalho é muito im­portante para que eu o interrompa agora [para] conversar com vocês.12

Se você serve como Jesus, pode esperar ser criticado. O mun­do, e até mesmo grande parte da igreja, não compreende o que Deus valoriza. Um dos mais belos atos de amor demonstrados a Jesus foi criticado pelos discípulos. Maria tomou a coisa mais valiosa que pos­suía, um perfume caro, e derramou sobre Jesus. Seu generoso serviço foi chamado “desperdício” pelos discípulos, mas Jesus o chamou signi­ficativo,13 e isso é tudo o que importa. Seu serviço para Cristo nunca será um desperdício, não importa o que os outros digam.

Os servos baseiam sua identidade em Cristo. Por se lembrarem de que são amados e aceitos pela graça, não têm de provar seu valor. Eles aceitam de bom grado trabalhos que pessoas inseguras conside­rariam “abaixo” delas. Um dos mais profundos exemplos de serviço realizado a partir de uma auto-estima segura foi a lavagem dos pés dos discípulos, realizada por Jesus. Lavar os pés era equivalente a ser engraxate, função desprovida de status. Mas Jesus sabia quem era; então a tarefa não ameaçou sua auto-estima. A Bíblia diz: Jesus sabia que o Pai havia colocado todas as coisas debaixo do seu poder, e que viera de Deus […] assim, levantou-se da mesa, tirou sua capa e colocou uma toalha em volta da cintura.14

Se você quer ser servo, deve depositar sua identidade em Cris­to. Somente pessoas seguras de si podem servir. Pessoas inseguras estão sempre preocupados com a aparência perante os outros. Elas temem a exposição de suas fraquezas e se escondem sob camadas de orgulho e pretensão. Quanto mais você for inseguro, mais irá querer que as pessoas o sirvam e mais necessitará da aprovação delas.

Henry Nouwen disse: “Para sermos úteis aos outros, temos de morrer para eles, ou seja, temos de deixar de medir nossa importân­cia e valor pelos parâmetros dos outros […] dessa forma, ficamos livres para manifestar misericórdia”. Quando você baseia seu valor e sua identidade no seu relacionamento com Cristo, fica livre das ex­pectativas dos outros, e isso permite que você realmente os sirva melhor.

Os servos não precisam cobrir as paredes com placas e prêmios para confirmar seu valor. Eles não insistem em ser tratados por títulos nem se en­volvem em mantos de superioridade. Os servos consideram irrelevantes os símbolos de status e não medem o próprio valor pelas realizações. Paulo disse: Você pode gloriar-se de você mesmo, mas a única aprovação que conta é a do Senhor.15

Se alguém teve grande chance na vida de se gabar de seus conhe­cimentos pessoais e de citar seus relacionamentos, esse alguém foi Tiago, o meio-irmão de Jesus. Ele detinha as credenciais de quem tinha vivido com Jesus na condição de irmão. Ainda assim, na intro­dução de sua carta, ele se referiu a si mesmo como servo de Deus e do Senhor Jesus Cristo.16 Quanto mais próximo você estiver de Jesus, menos precisará promover a si mesmo.

Servos consideram o ministério uma oportunidade, não uma obrigação. Eles gostam de ajudar pessoas, suprir necessidades e ministrar. Servem ao Senhor com alegria.17 Por que eles servem com alegria? Porque amam ao Senhor, reconhecem sua graça, sabem que servir é o melhor uso que podem dar à vida e têm ciência de que Deus prometeu uma recompensa. Jesus prometeu: O Pai honrará e recompensará a qualquer um que me servir18 Paulo disse: Ele não esquece o trabalho que vocês fizeram nem o amor que lhe mostraram na ajuda que deram e ainda estão dando aos seus irmãos na fé.19

Imagine o que poderia ter acontecido, se apenas 10% dos cristãos em todo o mundo levasse a sério seu papel de servo. Imagine todo o bem que poderia ter sido feito. Você está disposto a ser uma dessas pessoas? Não importa sua idade; Deus irá usá-lo se começar a agir e a pensar como servo. Albert Schweitzer disse: “As únicas pessoas realmente felizes são aquelas que aprenderam a servir”.

Trigésimo Quarto Dia

Pensando sobre meu propósito

Um tema para reflexão: Para ser servo, devo pensar como servo.

Um versículo para memorizar: Seja a atitude de vocês a mesma de Cristo Jesus (Filipenses 2.5; nvi).

 Uma pergunta para meditar: Normalmente, preocupo-me mais em ser servido ou em achar maneiras de servir os outros?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s