#DEVOCIONAL (40 dias) - Uma vida com propósitos [Rick Warren]

DIA 35 E 36

O poder de Deus NA   FRAQUEZA

Somos fracos […] mas, pelo poder de Deus, viveremos com ele para servir vocês.

2 Coríntios 13.4; nvi

Eu estou com você; isso é tudo que você precisa.

2 Coríntios 12.9a; bv

Deus realmente gosta de usar pessoas fracas.

Todo o mundo tem fraquezas. Na verdade, você tem uma coleção de defeitos e imperfeições: físicas, emocionais, intelectuais e espiritu­ais. Você também pode viver situações incontroláveis que o enfraque­cem, como obstáculos financeiros e de relacionamentos. O mais im­portante é o que você faz com isso. Normalmente, negamos nossas fraquezas, as defendemos, damos desculpas, escondemos — e torna­mos a senti-las. Isso impede que Deus as use da forma que deseja.

Deus tem uma perspectiva diferente de sua fraqueza. Ele diz: Os meus caminhos são mais altos do que os seus caminhos, e os meus pensamentos, mais altos do que os seus pensamentos;1 então, ele muitas vezes age de forma diametralmente oposta ao que espera­mos. Imaginamos que Deus quer usar somente nossos pontos fortes; mas ele também quer usar nossas fraquezas para sua glória.

A Bíblia diz: Deus escolheu […] para envergonhar os poderosos […] o que o mundo acha fraco.2 Suas fraquezas não são um acidente. Deus as permitiu em sua vida deliberadamente, a fim de demonstrar seu poder por meio de você.

Deus nunca ficou impressionado com a força ou a auto-suficiência. Aliás, ele é atraído por pessoas que são fracas e admitem isso. Jesus considera os que reconhecem as próprias necessidades, “pobres em espírito”. Essa foi a primeira atitude a ser abençoada por ele.3

A Bíblia é cheia de exemplos sobre como Deus adora usar pessoas comuns e imperfeitas para realizar coisas extraordinárias, a despeito de suas fraquezas. Se Deus só utilizasse pessoas perfeitas, nada ja­mais seria realizado, porque nenhum de nós é impecável. Deus utiliza pessoas imperfeitas: esse é um fato animador para todos nós.

A fraqueza, ou “espinho”, como Paulo a chamou,4 não é um peca­do ou vício de caráter que você possa mudar, como, por exemplo, exagerar na comida ou ser impaciente. A fraqueza é qualquer limitação que você herdou ou não tem meios de alterar. Po­derá ser uma limitação física, como uma deficiência, uma doença crônica, a vita­lidade naturalmente baixa ou uma inaptidão. Poderá também ser uma limitação emocional, como a seqüela de um trauma, uma lembrança dolorosa, um comportamento peculi­ar ou algum fator hereditário. Ou poderá ainda ser uma limitação intelectual ou de suas habilidades. Nem todos somos absolutamen­te brilhantes ou talentosos.

Quando você pensa nas limitações de sua vida, pode sentir-se tentado a concluir: “Deus nunca poderia me usar”. Mas Deus jamais fica limitado pelas nossas limitações. Aliás, ele gosta de pôr seu grande poder em embalagens comuns. A Bíblia diz: Somos como va­sos de barro nos quais esse tesouro é armazenado. O poder real vem de Deus, e não de nós.5 Como a cerâmica comum, somos frágeis, falhos e quebramos com facilidade. Mas Deus irá nos usar, se permi­tirmos que ele trabalhe por meio das nossas fraquezas. Para que isso aconteça, devemos seguir o exemplo de Paulo.

Admita as suas fraquezas. Confesse suas imperfeições. Pare de fingir que é perfeito e seja honesto sobre si mesmo. Em vez de viver dando desculpas e se recusando a aceitar, identifique sem pressa suas fraquezas pessoais. Você pode até fazer uma lista delas.

Duas grandes confissões do Novo Testamento demonstram o que é necessário para uma vida saudável. A primeira foi de Pedro, que disse a Jesus: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo.6 A segunda con­fissão foi feita por Paulo, que disse a uma multidão que o idolatra­va: Nós também somos humanos como vocês.7 Se você quer que Deus o use, deve saber quem é Deus e quem é você. Muitos cristãos, princi­palmente líderes, esquecem da segunda verdade: somos apenas hu­manos! Se forem necessários problemas graves para que você admita isso, Deus não irá hesitar em permiti-los, porque ele ama você.

Regozije-se na sua fraqueza. Paulo disse: Portanto, eu me sinto muito feliz em me gabar das minhas fraquezas, para que assim a proteção do poder de Cristo esteja comigo. Eu me alegro também com as fraquezas […] pelas quais passo por causa de Cristo.8 Em princípio, isso não faz nenhum sentido. Queremos ser libertos de nossas fraquezas, e não nos regozijarmos nelas! Mas o regozijo é uma manifestação da fé na bondade de Deus. É como se ele dissesse: “Deus, eu sei que você me ama e sabe o que é melhor para mim”.

Paulo nos dá várias razões para ficarmos felizes com as fraque­zas que nasceram conosco. Primeiro, elas nos fazem depender de Deus. Falando a respeito da própria fraqueza, que Deus se recusou a eliminar, Paulo disse: Já que eu sei que tudo é para o bem de Cristo, sinto-me bem feliz com o “espinho”, e com os insultos, as durezas, as perseguições e as dificuldades; porque, quando estou fraco, então sou forte quanto menos tenho, mais dependo dele.9 Sempre que se sentir fraco, Deus o estará relembrando de que você depende dele.

Nossas fraquezas também previnem a arrogância. Elas nos man­têm humildes. Paulo disse: Para que eu não ficasse muito orgulhoso, me foi dado o dom de uma deficiência, para me colocar em constan­te contato com minhas limitações.10 Deus em muitos casos junta uma grande fraqueza com uma grande força para manter nosso ego sob controle. A limitação pode agir como o controlador que nos im­pede de ir rápido demais e passar à frente de Deus.

Quando Gideão recrutou um exército de 32 mil homens para com­bater os midianitas, Deus os reduziu a apenas trezentos homens. Isso fez que suas chances no combate contra as tropas inimigas, que possuía 135 mil homens, fi­cassem reduzidas à proporção de 1 para 450. Isso, aparentemente, era a receita para a ruína, mas Deus agiu assim para que Israel soubesse que havia sido o poder de Deus, e não a força deles, que os havia salvado.

Nossas fraquezas também incentivam a comunhão entre os cren­tes. Enquanto a força gera um espírito independente (“Não preciso de mais ninguém”), nossas limitações demonstram quanto precisa­mos uns dos outros. Quando tecemos as frágeis fibras de nossa vida, uns com os outros, surge uma corda de grande força. Vance Havner brincava: “Os cristãos são como flocos de neve: isolados, são frágeis, mas, juntos, param o trânsito”.

Acima de tudo, nossas fraquezas aumentam nossa capacidade de ministrar e de sentir compaixão. Elas nos tornam mais propensos a ser atenciosos e a sentir compaixão pelas fraquezas dos outros. Deus quer que você tenha sobre a terra um ministério semelhante ao de Cristo. Isso significa que as outras pessoas deverão achar cura em suas feridas. Suas mais profundas mensagens de vida e seu minis­tério mais eficiente surgirão de suas dores mais profundas. As coi­sas que o deixam mais constran­gido, mais envergonhado, as quais você reluta em partilhar, são os mesmos instrumentos que Deus usará com mais poder para curar os outros.

O grande missionário Hudson Taylor disse: “Todos os gigantes de Deus são pessoas fracas”. A fra­queza de Moisés era seu gênio. Em virtude de seu temperamento, ele assassinou um egípcio, feriu a rocha com a qual deveria conversar e quebrou as tábuas dos Dez Mandamentos. Ainda assim, Deus trans­formou Moisés em um homem muito paciente, mais do que qualquer outro que havia na terra.11

As fraquezas de Gideão eram a baixa auto-estima e profunda insegurança, mas Deus o transformou em um … poderoso homem de valor.12 A fraqueza de Abraão era o medo. Não uma, mas duas vezes, ele afirmou que a esposa era sua irmã para se proteger. Mas Deus transformou Abraão no pai de todos os que crêem.13 Impulsivo e sem força de vontade, Pedro se tornou pedra,14 o adúltero Davi se tornou homem segundo o meu coração15 e João, um dos arrogantes “Filhos do Trovão”, se tornou o “Apóstolo do Amor”.

A lista poderia seguir interminavelmente. Não tenho tempo para falar de Gideão, Baraque, Sansão, Jefté, Davi, Samuel e os profetas, os quais pela fé […] da fraqueza tiraram força.16 Deus é especialista em transformar fraqueza em força. Ele quer pegar sua maior fraque­za e transformá-la.

Partilhe suas fraquezas de forma sincera. O ministério começa com a vulnerabilidade. Quanto mais você abaixa a guarda, tira a más­cara e conta suas lutas, mais Deus poderá usá-lo para servir aos outros. Paulo foi um exemplo de vulnerabilidade em todas as suas car­tas. Ele contava abertamente.

•    Suas falhas: Quando quero fazer o bem, não o faço e, quando tento não cometer erros, acabo errando do mesmo jeito.17

•    Seus sentimentos: Meus queridos amigos de Corinto! Eu con­tei-lhes tudo quanto sentia; eu os amo de todo o coração.18

•    Suas frustrações: Fomos esmagados e totalmente oprimidos. Pensamos que jamais iríamos sobreviver àquela situação.19

•   Seus medos: Quando vim até vocês, eu estava fraco, amedron­tado e trêmulo.20

É lógico que a vulnerabilidade é arriscada. Pode ser assustador baixar as defesas e abrir a vida aos outros. Quando você expõe seus fracassos, sentimentos, frustrações e temores, você arrisca ser rejei­tado. Mas os benefícios valem o risco. A vulnerabilidade liberta emo­cionalmente. Quando nos abrimos, aliviamos a tensão e dissipamos nossos medos, o que é o primeiro passo rumo à libertação.

Nós já vimos que Deus “dá graça ao humilde”, mas muitos não compreendem a humildade. Ter humildade não é se rebaixar ou ne­gar a própria força, mas ser sincero sobre suas fraquezas. Quanto mais franco você for, mais terá da graça de Deus. E também receberá graça dos outros. A vulnerabilidade é uma qualidade cativante. So­mos naturalmente atraídos por pessoas humildes. A pretensão traz aversão, mas a autenticidade atrai, e a vulnerabilidade é o caminho para a intimidade.

É por isso que Deus quer usar suas fraquezas, e não apenas seus pontos fortes. Se as pessoas só puderem ver seus pontos fortes, irão desanimar e pensar: “Bem, melhor para ele; mas nunca poderei fazer isso”. Entretanto, quando vêem Deus usá-lo apesar de suas fraquezas, animam-se e pensam: “Talvez Deus também possa usar-me”! Nossos pontos fortes criam competição, mas nos­sas fraquezas criam a vida em comunidade.

Em algum ponto da vida, você terá de decidir se quer impressionar ou influenciar as pessoas. Você pode impressionar as pessoas de longe, mas tem de chegar perto para influenciá-las; e, quando você fizer isso, elas poderão ver suas imperfeições. Não há nenhum problema. A qualidade essencial em um líder não é a perfeição, mas a credibilida­de. As pessoas devem ser capazes de confiar em você, caso contrário não o seguirão. Como você constrói credibilidade? Não fingindo ser perfeito, mas sendo sincero.

Glorie-se na sua fraqueza. Paulo disse: Duma experiência assim vale a pena gloriar-se, porém não vou fazê-lo. Vou apenas gloriar-me de quão fraco sou e quão grandioso é Deus para usar uma fraqueza dessas para sua glória.21 Em vez de posar como ícone de invencibili­dade e autoconfiança, veja a si mesmo como um troféu da graça de Deus. Quando Satanás apontar as fraquezas que você tem, concorde com ele e encha o coração de louvores a Jesus, que compreende todas as nossas fraquezas,22 e ao Espírito Santo, que nos ajuda em nossa fraqueza.23

Algumas vezes, entretanto, Deus transforma um ponto forte em fraqueza, a fim de nos usar ainda mais. Jacó foi um manipulador, passou a vida conspirando e então fugindo das conseqüências. Cer­ta noite, ele lutou com Deus e disse: “Eu não o deixarei ir enquanto não me abençoar”. Deus disse “Tudo bem”, mas então lhe deslocou a coxa do quadril. O que significa tudo isso?

Deus tocou a força de Jacó (o músculo da coxa é o mais forte do corpo humano) e a transformou em fraqueza. Daquele dia em dian­te, Jacó passou a mancar, para que jamais voltasse a fugir. Isso o forçou a depender de Deus, quer desejasse, quer não. Se você quer que Deus o abençoe e o use de forma poderosa, deverá estar disposto a mancar pelo resto da vida, pois Deus usa pessoas fracas.

Trigésimo Quinto Dia

Pensando sobre meu propósito

Um tema para reflexão: Deus opera melhor quando ad­mito minhas fraquezas.

Um versículo para memorizar: Minha graça é suficiente para você, pois o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza (2 Coríntios 12.9a; nvi).

Uma pergunta para meditar: É possível que eu esteja limitando o poder de Deus na minha vida por esconder minhas fraquezas? Sobre o que preciso ser sincero para que possa ajudar às pessoas?

Propósito n.° 5

VOCÊ FOI FEITO PARA UMA MISSÃO

O fruto da retidão é árvore de vida, e aquele que conquista almas é sábio.

Provérbios 11.30

Dia 36

Feito para uma missão

Do mesmo modo que me deste uma missão no mundo, eu dei a eles uma missão no mundo.

João 17.18; Msg

A coisa mais importante é que eu cumpra minha missão, o trabalho que o Senhor Jesus me deu para fazer.

Atos 20.24; Msg

Você foi feito para uma missão.

Deus está atuando no mundo e quer que você se junte a ele. Essa atribuição é conhecida como sua missão. Deus quer que você tenha tanto um ministério no corpo de Cristo quanto uma missão no mun­do. Seu ministério é seu serviço junto aos que crêem,1 e sua missão é seu serviço junto aos que não crêem. Cumprir sua missão no mundo é o quinto propósito de Deus para sua vida.

A missão de sua vida é tanto comum quanto específica. Parte dela é uma responsabilidade compartilhada com todos os outros cristãos, e a outra parte é uma tarefa separada exclusivamente para você. Veremos ambas as partes nos próximos capítulos.

A palavra “missão” tem sua raiz na palavra latina para “remeter”, ou “enviar”. Ser cristão inclui ser enviado ao mundo como represen­tante de Jesus Cristo. Jesus disse: Assim como o Pai me enviou, eu os envio.2

Jesus entendeu nitidamente a missão de sua vida sobre a terra. Quando estava com doze anos de idade, ele disse: Não sabeis que me convém tratar dos negócios de meu Pai3 e, 21 anos mais tarde, mor­rendo na cruz, ele disse: Está consumado.4 Como capa e contracapa de um livro, essas duas declarações emolduram uma vida plena, que foi dirigida por um propósito. Jesus completou a missão que lhe foi confiada pelo Pai.

A missão de Jesus na terra agora é nossa missão, pois somos o corpo de Cristo. Por que devemos continuar na igreja, que é seu corpo espiritual, o que ele fez em seu corpo físico? Que missão é essa? Apresentar Deus às pessoas! A Bíblia diz: Deus […] por meio de Cristo, nos transforma de inimigos em amigos dele. E Deus nos deu a tarefa de fazer com que os outros também sejam amigos dele.5

Deus quer resgatar os seres humanos de Satanás e reconciliá-los consigo, para que possamos cumprir os cinco propósitos para os quais ele nos criou: amá-lo, ser parte de sua família, tornar-nos semelhantes a ele, servi-lo e contar aos outros a respeito dele. Uma vez que perten­çamos a ele, Deus nos usará para alcançarmos outras pessoas. Ele nos salva e então nos envia. A Bíblia diz: Estamos aqui falando em nome de Cristo.6 Somos os mensageiros de Deus e espalhamos as boas-no­vas de seu amor e de seus propósitos para o mundo.

A IMPORTÂNCIA DE SUA MISSÃO

Cumprir sua missão na terra é parte essencial de viver para a glória de Deus. A Bíblia apresenta várias razões pelas quais sua missão é tão importante.

Sua missão é uma continuação da missão de Jesus sobre a terra. Como seus seguidores, devemos continuar o que Jesus começou.

Jesus não nos chama apenas para vir a ele, mas também para ir por ele. Sua missão é tão importante que Jesus a repetiu cinco vezes, de cinco formas diferentes, em cinco livros diferentes da Bíblia.7 É como se ele estivesse di­zendo: “Eu realmente quero que você leve isso a sério”! Estude essas cinco incumbências dadas por Jesus, e você aprenderá os detalhes de sua missão na terra — quando, onde, por que e como.

Na Grande Comissão, Jesus disse: Vão e façam discípulos de to­das as nações, batizando-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a obedecer a tudo o que eu lhes ordenei.8 Essa incumbência foi dada a todos os seguidores de Jesus, não somente a pastores e missionários. Esse é o seu compromisso com Jesus, e não se trata de algo opcional. As palavras de Jesus não são a “Grande Sugestão”. Se você faz parte da família de Deus, sua missão é com­pulsória. Desprezá-la seria um ato de desobediência.

Você talvez não esteja ciente de que Deus o pôs como responsável pelos incrédulos que vivem a sua volta. A Bíblia diz: Você deve ad­verti-los para que eles possam viver. Se você não falar, não advertir os ímpios a parar de praticar o mal, eles morrerão em seus pecados, mas eu colocarei sobre você a responsabilidade pela morte deles.9 Você pode ser o único cristão que algumas pessoas jamais irão co­nhecer, e sua missão é contar a eles sobre Jesus.

Sua missão é um privilégio formidável. Embora seja uma gran­de responsabilidade, é também uma incrível honra ser usado por Deus. Paulo disse: Todas essas novas vêm de Deus, que nos trouxe de volta a si mes­mo por meio daquilo que Cristo Jesus fez. E Deus nos deu o privilégio de insistir com todos para que se tornem aceitáveis dian­te dele e se reconciliem com ele.10 Sua mis­são envolve dois grandes privilégios: trabalhar com Deus e represen­tá-lo. Somos parceiros de Deus na construção de seu Reino. Paulo nos chama colaboradores e diz que somos companheiros de traba­lho no serviço de Deus.11

Jesus assegurou nossa salvação, aceitou-nos em sua família, deu-nos seu Espírito Santo e então nos tornou seus representantes no mundo. Que privilégio! A Bíblia diz: Somos representantes de Cristo. Deus nos usa para persuadir homens e mulheres a deixar de lado suas diferenças, a entrar no trabalho de Deus e a fazer as coisas corretas entre eles. Estamos falando por Cristo agora: Tornem-se ami­gos de Deus.12

Contar aos outros como obter a vida eterna é a melhor coisa que você pode fazer por eles. Se seu vizinho tivesse câncer ou aids e você soubesse a cura, seria criminoso reter tal informação. Ainda pior seria guardar segredo sobre o caminho para o perdão, o propó­sito, a paz e a vida eterna. Temos a melhor de todas as novidades do mundo, e partilhá-la é o maior carinho que podemos mostrar a qual­quer um.

Um problema dos cristãos que se converteram há muito tempo é terem esquecido de como é viver sem Cristo. Devemos nos lembrar de que, não importa quanto as pessoas pareçam estar felizes e bem-sucedidas, sem Cristo, elas estão irremediavelmente destinadas à separação eterna de Deus. A Bíblia diz que Jesus é o único que pode salvar o ser humano.13 Todos precisam de Jesus.

O valor de sua missão é eterno. Ela fará diferença no destino eterno das outras pessoas; logo, é mais importante que qualquer emprego, realização ou objetivo que você possa alcançar durante sua vida na terra. As conseqüências de sua missão irão durar para sempre, mas as conseqüências de seu emprego não. Nada que você faça pode ser mais importante que ajudar as pessoas a estabelecer um relacionamento eterno com Deus.

Por isso precisamos ser diligentes com nossa missão. Jesus disse: Todos nós devemos rapidamente cumprir as tarefas que nos foram entregues por aquele que me enviou, pois resta pou­co tempo antes que caia a noite e todo trabalho che­gue ao fim.14 O relógio que controla a missão de sua vida está correndo, então não perca mais um dia. Inicie agora sua missão de trazer outras pessoas a Cristo! Teremos toda a eternidade para celebrar com aqueles que trouxemos a Jesus, mas só temos o período de nossa vida para alcançá-los.

Isso não significa que você tenha de desistir de seu trabalho para se tornar evangelista em tempo integral. Deus deseja que você parti­lhe as boas-novas no lugar onde estiver. Estudante, mãe e dona-de-casa, professor, vendedor, gerente: qualquer que seja a sua ativida­de, você deve sempre buscar as pessoas que Deus coloca em seu caminho, e com elas partilhar o evangelho.

Sua missão traz significado à sua vida. William James disse: “O melhor uso que se pode dar à vida é empregá-la em algo que sobrevi­va a ela”. A verdade é que somente o Reino de Deus irá permanecer. Todo o resto acabará desaparecendo. É por isso que devemos ter uma vida dirigida por propósitos — vidas empenhadas na adora­ção, na comunhão, no crescimento espiritual, no ministério e no cumprimento de nossa missão na terra. Os resultados dessas ativi­dades irão durar — e para sempre!

Se falhar em cumprir a missão que Deus lhe deu na terra, você terá desperdiçado a vida que Deus lhe concedeu. Paulo disse: Minha vida não tem nenhum valor, a menos que eu a use para realizar a obra que me foi confiada pelo Senhor Jesus — obra de contar aos outros as boas-novas sobre a maravilhosa bondade e sobre o amor de Deus.15 Existem pessoas neste planeta que somente você poderá alcançar, em virtude de onde você vive e do que Deus o fez ser. Se ao menos uma pessoa for para o céu por causa de você, sua vida terá sido relevante para a eternidade. Comece a olhar em torno, em seu campo missionário pessoal, e ore: “Deus, quem você pôs na minha vida para que eu contasse a respeito de Jesus?”.

O cronograma de Deus para a finalização da história está rela­cionado à conclusão de nossa incumbência. Hoje em dia, há um interesse crescente na segunda vinda de Cristo e no fim do mundo. Quando isso ocorrerá? Logo antes de Jesus ter subido aos céus, os discípulos lhe fizeram a mesma pergunta, e a resposta foi bastante reveladora. Ele disse: Não lhes compete saber os tempos ou as datas que o Pai estabeleceu pela sua própria autoridade. Mas receberão poder quando o Espírito Santo descer sobre vocês, e serão minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judéia e Samaria, e até os confins da terra.16

Quando os discípulos quiseram conversar sobre as profecias, Jesus rapidamente mudou a conversa para o evangelismo. Ele que­ria que eles se concentrassem em sua missão no mundo. Em essên­cia, ele disse: “Os detalhes da minha volta não são da sua conta. O que é da conta de vocês é a missão que lhes foi dada. Concentrem-se nisso!”.

Especular sobre o momento exato do retorno de Cristo é inútil, pois Jesus disse: Quanto ao dia e à hora ninguém sabe, nem os anjos dos céus, nem o Filho, senão somente o Pai.11 Como Jesus afirmou não saber nem o dia nem a hora, por que você deveria tentar calculá-lo? O que sabemos com certeza é isto: Jesus não irá voltar até que todas as pessoas que Deus separou para ouvir sua Palavra a tenham ouvido. Jesus disse: As boas-novas sobre o Reino de Deus serão pre­gadas em todo o mundo e a todas as nações. Depois virá o fim.18 Se você quer que Jesus volte o mais rápido possível, concentre-se em cumprir sua missão, e não em desvendar a profecia.

É fácil nos distrairmos e desviarmos de nossa missão, porque Satanás nos prefere fazendo qualquer coisa, exceto partilhando a fé. Ele o deixará fazer todo tipo de boa ação, contanto que não leve ninguém para o céu consigo. Mas, no ins­tante em que você começar a levar sua missão a sério, fique certo de que o Diabo irá lançar todo tipo de distração contra você. Quando isso acontecer, lembre-se das pala­vras de Jesus: Todo aquele que se deixa desviar do trabalho que eu planejo para ele, não está apto para o Reino de Deus.19

Quanto lhe custará cumprir sua missão

Cumprir sua missão irá exigir que você abandone seus planos pesso­ais e assuma os planos de Deus para sua vida. Você não pode ape­nas acumulá-la com todas as outras coisas que gostaria de fazer. Você deve dizer, tal qual disse Jesus: Pai […] não seja feita a minha vontade, mas a tua.20 Submeta seus privilégios, expectativas, sonhos, planos e ambições a Deus. Pare de fazer orações egoístas como: “Deus, abençoe o que quero fazer”. Em vez disso, ore: “Deus, ajude-me a fazer o que estás abençoando”! Entregue a Deus uma folha em bran­co, com seu nome assinado embaixo e peça para ele preencher. A Bíblia diz: Antes entreguem-se inteiramente a Deus — o corpo todo — pois que vocês voltaram da morte e desejam ser instrumentos nas mãos de Deus, usados para seus bons propósitos.21

Comprometendo-se com a realização de sua missão, aconteça o que acontecer, você irá experimentar a bênção de Deus de uma forma que poucas pessoas já experimentaram. Não há quase nada que Deus não faça pelo homem ou mu­lher que se comprometer em servir o Reino de Deus. Jesus prometeu: [Deus] lhes dará tudo de que preci­sam no dia-a-dia se vocês viverem para ele e fizerem do Reino de Deus a sua preocupação primária.22

“Mais um para Jesus”

Meu pai foi pastor por mais de cinqüenta anos, servindo principal­mente em igrejas pequenas da zona rural. Ele era um simples prega­dor, mas era um homem com uma missão. Sua atividade favorita era levar equipes de voluntários ao exterior, a fim de erguer igrejas para pequenas congregações. Durante sua vida, papai ergueu mais de 150 igrejas por todo o mundo.

Em 1999, meu pai morreu de câncer. Na última semana de vida, a doença o mantinha acordado em estado de semiconsciência, quase 24 horas por dia. Quando sonhava, falava alto sobre o que estava sonhando. Sentado ao lado de sua cama, aprendi muito sobre meu pai, apenas escutando seus sonhos. Ele revivia seus projetos de cons­trução, um após o outro.

Certo dia, já próximo ao fim, enquanto minha esposa, minha sobrinha e eu estávamos ao seu lado, papai ficou subitamente agita­do e tentou levantar-se da cama. Logicamente, ele estava muito fra­co, e minha esposa insistiu em que ele voltasse a se deitar. Mas ele insistia em tentar sair da cama, então minha esposa acabou por perguntar: “Jimmy, o que você está querendo fazer?”. Ele respondeu: “Tenho de salvar mais um para Jesus! Tenho de salvar mais um para Jesus! Tenho de salvar mais um para Jesus!”. Ele começou a repetir essa frase sem parar.

Na hora que se seguiu, ele provavelmente repetiu a mesma frase mais de cem vezes. “Tenho de salvar mais um para Jesus!” Quando me sentei próximo a sua cama, com as lágrimas escorrendo, inclinei a cabeça para agradecer a Deus pela fé de meu pai. Naquele momen­to, papai estendeu o braço, pôs sua frágil mão sobre minha cabeça e disse, como se estivesse me comissionando: “Salve mais um para Jesus! Salve mais um para Jesus!”.

Pretendo que esse seja o lema do resto da minha vida. E também o convido a considerar esse objetivo o foco de sua vida, porque nada fará diferença maior na eternidade. Se você quer ser usado por Deus, deve se importar com o que mais importa para Deus; e o que mais importa para ele é a redenção das pessoas que ele fez. Ele quer que seus filhos perdidos sejam encontrados! Nada interessa mais a Deus; a cruz prova isso. Oro para que você esteja sempre atento, a fim de alcançar “mais um para Jesus”, de maneira que, no dia em que você estiver diante de Deus, você possa dizer: “Missão cumprida”.

Trigésimo Sexto Dia

Pensando sobre meu propósito

Um tema para reflexão: Fui feito para uma missão.

Um versículo para memorizar: Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a obede­cer a tudo o que eu lhes ordenei. E eu estarei sempre com vocês, até o fim dos tempos (Mateus 28.19,20; nvi).

Uma pergunta para meditar: Que temores me impedem de cumprir a missão da qual fui incumbido por Deus? O que me impede de contar aos outros as boas-novas?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s