#Palavras do Pai

Cordeiro e Leão #47

Tenho buscado me aproximar da imagem de Cristo como tantos outros irmãos espalhados ao redor da terra – e todos certamente muito mais que eu – mas me deparei com essa ‘antítese’ que tem tocado os meus dias… O Jesus Cordeiro e o Jesus Leão. Não cordeiro ou leão, mas e: dois em um e ao mesmo tempo. Eu nunca entendi muito bem essa diferença. Na verdade, a diferença é fácil de perceber, difícil é compreender a semelhança.

Nossa alma almeja pelo “ser leão”. Desejamos que o inferno nos tema, que nossas bocas profetizem como um rugido poderoso. Queremos entrar na guerra, matar nossos inimigos e sair orgulhosos dando glórias a Deus por mais uma vitória. Queremos bramir. Queremos ser ouvidos.

O nosso cordeiro vive acuado, pois sabe que na frente de leões não tem defesa. Ele opta pelo silêncio ao invés de entrar em disputa contra alguém mais forte que ele. O cordeiro sempre será vencido tendo o leão como seu adversário.

O grande x da questão é que você nunca vai ver o leão e o cordeiro caminhando juntos. Um sempre vai se sobrepor ao outro. Dentro de nós, carregamos igualmente esses dois animais: o leão só aparece quando o cordeiro vai embora, e vice versa. Enquanto insistimos em manifestar o leão; o cordeiro permanecerá adormecido, acuado e em paz. Ele sabe que não adianta se manifestar. Quando o leão é vencido pelas suas forças esgotadas e seus bramidos incessantes, o cordeiro pode ser despertado do seu sono.

Jesus morreu como cordeiro, mas ressurgiu como Leão. Ele sabia que se desejasse manifestar o Leão em seu tempo na terra (antes da cruz) acabaria pondo tudo por água abaixo. Nenhum leão vai em paz até o matadouro. Nenhum leão é, por natureza, calmo. Se esse lado fosse manifesto, Jesus nunca teria subido aquela cruz (e nós nunca teríamos experimentado a benção da redenção).

Jesus sempre teve essas duas naturezas dentro dele, mas sabia a quem pertenciam: o Cordeiro à sua carne, o Leão ao seu espírito.  Jesus sabia da importância do tempo e dos processos e decidiu respeitá-la. Quando o Cordeiro Jesus morreu, o Jesus Leão pode aparecer sim em poder e glória!

Nós queremos a glória, mas deixamos de lado o silêncio. Queremos a pompa, mas nos negamos à humilhação. Clamamos por direitos, mas nos recusamos ao servir. Aprendamos, enfim, com Jesus: precisamos nos humilhar à estatura de cordeiros, para que, em nós, Ele possa ser manifesto como leão.

(Isadora Bersot)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s